sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Inclusão- falando sobre!

INCLUSÃO- FALANDO SOBRE


DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM:


nA área da educação nem sempre é cercada somente por sucessos e aprovações.
nÉ importante que todos os envolvidos no processo educativo estejam atentos a essas dificuldades, observando se são momentâneas ou se persistem há algum tempo.
nAs dificuldades podem advir de fatores orgânicos ou mesmo emocionais e é importante que sejam descobertas a fim de auxiliar o desenvolvimento do processo educativo.


DISLEXIA
nDislexia: é a dificuldade que aparece na leitura, impedindo o aluno de ser fluente, pois faz trocas ou omissões de letras, inverte sílabas, apresenta leitura lenta, dá pulos de linhas ao ler um texto, etc. Estudiosos sugerem que sua causa vem de fatores genéticos, mas nada foi comprovado pela medicina.

Disgrafia

Pode estar associada à dislexia, porque se o aluno faz trocas e inversões de letras, consequentemente encontra dificuldade na escrita. Além disso, está associada a letras mal traçadas e ilegíveis, letras muito próximas e desorganização ao produzir um texto, com pouca habilidade motora fina.

Discalculia

nÉ a dificuldade para cálculos e números, de um modo geral os portadores não identificam os sinais das quatro operações e não sabem usá-los, não entendem enunciados de problemas, não conseguem quantificar ou fazer comparações, não entendem sequências lógicas. Esse problema ainda é pouco conhecido.


Dislalia

nÉ a dificuldade na emissão da fala, apresenta pronúncia inadequada das palavras, com trocas de fonemas e sons errados, tornando-as confusas. Manifesta-se mais em pessoas com problemas no palato, flacidez na língua ou lábio leporino. 


Disortografia

nÉ a dificuldade na linguagem escrita e também pode aparecer como consequência da dislexia. Suas principais características são: troca de grafemas, desmotivação para escrever, separação indevida das palavras, falta de percepção e compreensão dos sinais de pontuação e acentuação. 


Tdah

nO Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade é um problema de ordem neurológica, que traz consigo sinais evidentes de inquietude, desatenção, falta de concentração e impulsividade. Hoje em dia é muito comum vermos crianças e adolescentes sendo rotulados como DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção), porque apresentam alguma agitação, nervosismo e inquietação, fatores que podem advir de causas emocionais. É importante que esse diagnóstico seja feito por um médico e outros profissionais capacitados. 



Autismo


nTranstorno de desenvolvimento com características marcantes como:
nIsolamento
nAusência/alterações ao nível da linguagem
nAusência de  contacto visual
nDesinteresse pelas pessoas e/ou jogos (brincar)
nUso inadequado de objetos
nResistência a aprendizagem
nRiso ou choro sem motivo aparente
nAusência da consciência do perigo
nRejeição do contato físico
nRigidez na rotina
nComportamentos e atividades repetitivas e estereotipadas.

IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR:

nProfessores são muito importantes no processo de identificação e descoberta desses problemas, porém, os diagnósticos devem ser feitos por médicos, psicólogos e psicopedagogos. O papel do professor não se restringe em solicitar um laudo, mas observar o aluno, encaminhar para a supervisão e auxiliar o seu processo de aprendizagem, tornando as aulas mais motivadas e dinâmicas, não rotulando o aluno, mas dando-lhe a oportunidade de descobrir suas potencialidades.

 Leis e documentos internacionais sobre os Direitos das pessoas com deficiência no nosso país:

n1988
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

Prevê o pleno desenvolvimento dos cidadãos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação; garante o direito à escola para todos; e coloca como princípio para a Educação o "acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um". 

n1989

LEI Nº 7.853/89

Define como crime recusar, suspender, adiar, cancelar ou extinguir a matrícula de um estudante por causa de sua deficiência, em qualquer curso ou nível de ensino, seja ele público ou privado. A pena para o infrator pode variar de um a quatro anos de prisão, mais multa. 


n1990

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (ECA)
Garante o direito à igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola, sendo o Ensino Fundamental obrigatório e gratuito (também aos que não tiveram acesso na idade própria); o respeito dos educadores; e atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular.  

n1994

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA
O texto, que não tem efeito de lei, diz que também devem receber atendimento especializado crianças excluídas da escola por motivos como trabalho infantil e abuso sexual. As que têm deficiências graves devem ser atendidas no mesmo ambiente de ensino que todas as demais. 


n1996

LEI E DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL (LBD)
A redação do parágrafo 2o do artigo 59 provocou confusão, dando a entender que, dependendo da deficiência, a criança só podia ser atendida em escola especial. Na verdade, o texto diz que o atendimento especializado pode ocorrer em classes ou em escolas especiais, quando não for possível oferecê-lo na escola comum. 



n2000

LEIS Nº10.048 E Nº 10.098
A primeira garante atendimento prioritário de pessoas com deficiência nos locais públicos. A segunda estabelece normas sobre acessibilidade física e define como barreira obstáculos nas vias e no interior dos edifícios, nos meios de transporte e tudo o que dificulte a expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos meios de comunicação, sejam ou não de massa. 


n2001

DECRETO Nº3.956 (CONVENÇÃO DA GUATEMALA)
Põe fim às interpretações confusas da LDB, deixando clara a impossibilidade de tratamento desigual com base na deficiência. O acesso ao Ensino Fundamental é, portanto, um direito humano e privar pessoas em idade escolar dele, mantendo-as unicamente em escolas ou classes especiais, fere a convenção e a Constituição 


nCONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA 

Prevê o pleno desenvolvimento dos cidadãos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação; garante o direito à escola para todos; e coloca como princípio para a Educação o "acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um". 



SUGESTÕES DE SITES

nwww.universoautista.com.br
nwww.lerecompreender.com.br/palestras.asp - (Dislexia: "Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola", 2010)
nhttp://cursoschafic.com/neurociencias.html
nhttp://cursoschafic.com/dislexia.html
nwww.pedagogia.com.br/artigos/neurocienciaaeducacao


SUGESTÕES DE FILMES

nUm estranho no ninho
nUma lição de amor
nDo luto a luta
nGarota interrompida










sábado, 19 de janeiro de 2013

VOLTA ÀS AULAS

VOLTA ÀS AULAS

As aulas já estão para começar, e levantar cedo, lição de casa, entre outros...

Abaixo segue um artigo, escrito por Marcos Meier, que nos da dicas de como agir frente a esta situação e até com crianças que estarão indo pela primeira vez na escola.

Redação:

Em tempos de volta às aulas, muitas crianças, sejam elas marinheiras de primeira viagem ou veteranas, apresentam resistência em retornar à rotina escolar. Para evitar maiores traumas, o segredo é conversar. “Todo ano é aquele chororô. Não querem ir para escola e ficam com saudade da vó. Por isso, começo a prepará-los umas duas semanas lembrando como é bom voltar para a escola”, aconselha Ana Luíza Mota, 39 anos, mãe de Marcelo, 11 anos, Mariana, 7 anos, e Luis Fernando, três anos.

Segundo a diretora o departamento de ensino fundamental da Secretaria Municipal da Educação, Nara Luz Salamunes, os pais podem colaborar para que seus filhos se preparem para um bom retorno às atividades escolares. “Educação é responsabilidade de todos, principalmente dos pais e da escola”, explica Nara que sugere algumas medidas que podem ser adotadas pelas famílias, neste início de ano letivo. Entre elas, a mudança gradativa do horário de férias, geralmente meio bagunçado, porque o sono pode atrapalhar ainda mais o retorno da criança para a escola.

Ao contrário do que possa parecer, a tranqüilidade da criança no primeiro dia de aula não depende dela, mas da confiança da mãe. “Muitas vezes a mãe fica com medo de deixar a criança na escola, e sem querer transfere esta insegurança para seu filho”, explica o psicólogo Marcos Meier. Para resolver este problema a mãe deve visitar a escola, antes da matrícula. E nos dias que antecedem o inicio das aulas é interessante levar o filho para que ele conheça a sala que vai estudar. “Quando a criança conhece o ambiente de ensino junto da mãe, a facilidade de adaptação aumenta, pois as crianças sentem que a mãe aprova o local”, conta o Meier.

Para os estreantes na escola, a atenção deve ser redobrada, afinal o primeiro dia de aula, muitas vezes pode trazer traumas aos que não estão preparados para encarar um novo ambiente, com pessoas totalmente desconhecidas. A insegurança toma conta dos pequeninos e se os pais não souberem como prepará-los, as conseqüências podem ser imprevisíveis. Além do problema do primeiro dia de aula, outro motivo de preocupação dos pais é a troca de escola. Neste caso, o problema pode ser mais difícil, pois a criança é retirada de um ambiente onde já está adaptada. Segundo Méier, a solução é preparar a criança. “Os pais devem exaltar os pontos positivos do novo colégio, como os novos amigos, a nova professora e quais atividades serão realizadas, mostrando as vantagens da troca”. Na realidade, explica o psicólogo, toda mudança é difícil, mas elas são necessárias. “Durante toda vida elas terão que se sujeitar a mudanças e se as crianças não aprenderem a lidar com isso desde já, mais para frente terão muitas dificuldades para se adaptar”, acrescenta Meier.

DICAS

- As crianças, principalmente as que vão para a escola pela primeira vez, devem ser acompanhadas até o portão da escola pelos pais ou responsáveis. É importante que os pais esclareçam aos filhos que a escola é um espaço seguro e tranqüilo para a aprendizagem, mas que também é um local onde a criança poderá se divertir e fazer novos amigos.

- Os pais devem participar do dia-a-dia da escola onde os filhos estudam, procurar conhecer o ambiente, conversar com a equipe pedagógica e ficar atento às orientações repassadas pelos professores. Participar de reuniões e encontros também é muito importante. As escolas realizam pelo menos uma reunião a cada dois meses.

- Recados e avisos importantes sobre as crianças podem ser enviados aos pais por meio da agenda escolar. Eles devem ficar atentos e conferir com freqüência o material das crianças. Acompanhar a agenda escolar é uma boa forma de fazer com que a criança perceba como é importante marcar e cumprir compromissos.

- Também é fundamental para a criança que os pais ou responsáveis verifiquem suas tarefas escolares. Pedir para ver cadernos e livros estimula a criança a estudar e manter em ordem o material. Na hora da tarefa, os pais podem incentivar e orientar, mas não devem resolver as questões para os filhos.

- Ler para as crianças e oferecer acesso a bons livros estimula o gosto pela leitura e melhora as condições de letramento da criança.

- É importante ensinar as crianças a cuidar do material didático e se possível encapar os exemplares com plástico.

- Pais de crianças que precisam de medicação devem comparecer à escola, orientar os professores quanto aos horários .

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Lembrancinha de boas-vindas

Ideias: Lembrancinhas de Boas-Vindas



Menino no palito de sorvete:


 Lindo estes ursos com bexiga e lata.


 Flor no palito de churrasco com bala:



E estes ursos com bexiga que fofo


Bala de goma na borboleta

Pirulitos de palhaço... fofos!


Borboletas feitas com prendedor... 


Olha que lindo estes caramujos de pirulitos:


 Kit, Marca páginas, agendinha e enfeite de lápis:



Coruja no lápis de escrever....




Algumas ideias são tiradas de blog´s....
O princípal objetivo é socializarmos ideias.....

Mensagens Boas-Vindas

Boas-Vindas de Volta as aulas.



Segue modelos de mensagem de boas-vindas, para ser colado na agenda no início do ano letivo!